SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi, IV SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi

Tamanho da fonte: 
ANÁLISE COMPARATIVA DE ÓBITOS E SUA PRINCIPAL CAUSA NAS REGIÕES DO BRASIL ENTRE OS PERÍODOS DE 2008 A 2012 E DE 2013 A 2016
Joycy Isabely Rodrigues Machado, Cristiane Chaves Campos, Breno Eduardo Lomazzi Cunha, Thallyson Ruan Brilhante Porto, Nilson Afonso da Silva Junior, Sara Falcão de Souza

Última alteração: 2018-10-06

Resumo


Introdução: O óbito tem sido estudado com o intuito não só de saber quantas pessoas morrem, mas também, os níveis de saúde das populações. As causas de morte em uma determinada área são imprescindíveis para a compreensão da situação de saúde, suas causas e consequências, bem como para orientar decisões visando à melhoria da saúde da população. Objetivo: Analisar o número de óbitos nas regiões do Brasil que tiveram a menor e maior percentagem de óbitos e a sua principal causa, comparando o período de 2008 a 2012 (primeiro período) e o de 2013 a 2016 (segundo período), verificando o desenvolvimento do quadro analisado primeiramente. Metodologia: Estudo transversal baseado nos dados de óbitos ocorridos no Brasil, no primeiro e segundo período analisado, de acordo com os dados registrados no departamento de informação do SUS (DataSus). Analisou-se também quais regiões tiveram o menor e o maior número de óbitos e a sua principal causa através de percentagens. Resultados: Conforme o DataSUS, no Brasil, durante o período de 2008 a 2012, ocorreram 5.668.706 óbitos, sendo a região Norte com a menor porcentagem: 5,78% e a região Sudeste com a maior: 46,56%. Já no período de 2013 a 2016 foram contabilizados 5.011.462 óbitos e o Norte e Sudeste permaneceram com a menor e maior taxa nacional, 6,06% e 45,65% respectivamente. Ao revisar os números do primeiro período, verificou-se que ambas as regiões tiveram como principal causa de morte as doenças do sistema circulatório, Norte 22,24% e Sudeste 29,41%. Através dos registros do segundo período, observou-se permanência das enfermidades do sistema circulatório como fator dominante para o índice de óbitos, sendo responsáveis por 22,76% no Norte e 28,65% no Sudeste. Conclusão: Os resultados deste estudo expõem que, nos dois períodos estudados, a região Norte teve o menor registro de óbitos e a Sudeste teve o maior, as duas tiveram como a principal causa de falecimento as patologias do sistema circulatório. Ademais, no segundo período comparado com o primeiro, a região norte teve um aumento no número de morte total, e nas mortes causadas por doenças no sistema circulatório. Em contrapartida, a região sudeste, conseguiu reduzir suas taxas em ambos aspectos. Desse modo, o Sudeste apresentou avanço no combate da principal causa de óbitos da região, enquanto o Norte não. De fato, deve-se intensificar as ações preventivas dessa causa de morte, principalmente no Norte, a fim de minimizar a ocorrência e o número de óbitos.

Descritores: OBITOS. CAUSAS. REGIOES. BRASIL.

 


É necessário inscrever-se na conferência para visualizar os documentos.