SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi, IV SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi

Tamanho da fonte: 
INTERNAÇÕES E ÓBITOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO SEGUNDO REGIÃO PARA FAIXA ETÁRIA DE 1 A 9 ANOS NO PERÍODO DE JANEIRO/2008 A JULHO/2018.
Sabrina Rosa Coelho, Luiza Nascimento Barroso, Lucas Guimarães Castro, Rafael Lopes Matos, Muryelle Rosa Coelho

Última alteração: 2018-10-06

Resumo


Introdução: O número de internações infantis e a quantidade de óbitos em crianças é algo que provoca alarme na saúde do país, pois muitas vezes são doenças que poderiam ter sido evitadas, ou que começaram de forma simples e desencadearam o óbito. Objetivo: Analisar o número de internações e óbitos infantis no Brasil, por unidade da federação e independente da causa, por um período de 10 anos (janeiro/2008 a julho/2018). Material e Métodos: Foi realizado um estudo retrospectivo do número de internações e óbitos para faixa etária de 1 a 9 anos, independente da causa que levou a internação e ao óbito, pelo período correspondente a janeiro de 2008 até julho de 2018, registrados no Banco de Dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde – DATASUS. Resultados: O período analisado nos mostrou que no Brasil tiveram 10.362.766 internações para a faixa etária em estudo, e ocorrendo 43.495 óbitos infantis. Na apresentação por regiões, foi constatado que a Região Nordeste foi a que mais apresentou internações, com um número de 3.437.247, e uma quantidade de óbitos equivalente a 13.660. Seguido pela Região Sudeste com 3.410.715 internações, porém lidera o ranking brasileiro com 15.422 óbitos. A Região Sul, mesmo apresentando apenas três estados apresentou números significativos com 1.433.263 internações e 5.452 óbitos. Na Região Norte tivemos a notificação de 1.261.303 internações e 5.335 óbitos. Os melhores índices foram demonstrados pela Região Centro-Oeste do país com 820.238 internações com 3626 óbitos. Conclusão: O Brasil vem buscando e apresentando melhorias no Sistema Único de Saúde, uma nova medicina está sendo implantada na busca por um sistema basicamente preventivo, onde o país irá economizar muito com a saúde, podendo assim investir em melhorias para toda a população. A medicina preventiva, sem nenhuma dúvida é excelente e levará o país a uma saúde equivalente à de países europeus. Sem dúvida a grande maioria das mortes ocorridas na faixa etária deste estudo poderiam ter sido evitadas se já estivéssemos implantados uma medicina baseada na prevenção. Observamos regiões com grande número de óbitos os quais não seriam esperados, e outra região, considerada uma das regiões mais pobres do Brasil com números menores. Devemos estar atentos a grande subnotificação que ainda existe, principalmente nessas regiões. O ministério da saúde vem trabalhando no intuito de diminuir tais números e melhorar cada vez mais a saúde dos brasileiros.

Descritores: PEDIATRIA, CRIANÇAS, ÓBITOS, INTERNAÇÕES, REGIÕES.


É necessário inscrever-se na conferência para visualizar os documentos.