SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi, IV SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi

Tamanho da fonte: 
UTILIZAÇÃO DE COPAIBA EM RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NO BIOMA CERRADO, REGIÃO SUL DO TOCANTINS
Joao Henrique Silva da Luz, Gilson do Carmo Alexandrino, Joao Pedro Silva Beserra, Fabriny da Silva Ribeiro, Marcelo Cruz Tomazi, Gilson Araújo de Freitas

Última alteração: 2018-10-09

Resumo


Introdução: Copaifera langsdorffii é uma espécie de ampla ocorrência no bioma Cerrado brasileiro. Apresenta alta plasticidade a diferentes condições edafoclimática, tornando viável sua utilização em projetos de recuperação de áreas degradadas. Objetivo: Realizar monitoramento da sobrevivência em campo de mudas de Copaíba plantadas em projetos de recuperação de áreas degradadas. Material e Métodos: O estudo foi conduzido em uma área degradada, na Fazenda Tiête, município de Talismã, sudoeste do Tocantins, entre as coordenadas 12º 43’ 0,9’’ S; 49º 12’ 46,44’’ W e 12º 43’ 4,02’’ S; 49º 13’ 9,72’’ W. Foram plantadas 300 mudas de Copaifera langsdorffii produzidas na condição de pleno sol, obedecendo uma distribuição em quincôncio, sendo espaçamento de 5,0 x 5,0 m. As taxas de sobrevivência foram determinadas aos 165, 520 e 1305 dias após o transplante. Os resultados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey, a nível de 5% de probabilidade. Resultados: O índice de sobrevivência aos 165 dias foi de 70 %. As avaliações realizadas aos 520 e 1305 dias após o transplantil não apresentaram diferença estatísticas entre si, sendo 50% a taxa de sobrevivência. Conclusão: Copaifera langsdorffii apresenta baixo índice de sobrevivência em condições de área degradada. Novos estudos precisam ser realizados a fim de elucidar novas estratégias de manejos para a espécie florestal.

 


É necessário inscrever-se na conferência para visualizar os documentos.