SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi, IV SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi

Tamanho da fonte: 
ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO DIABETES MELLITUS, NA REGIÃO NORTE DO BRASIL, NA POPULAÇÃO DE 15 A 69 ANOS, NO ANO DE 2017 A 2018.
Juliana comin müller, Washington Stival Moreira, Alice Magalhaes Faleiro

Última alteração: 2018-10-10

Resumo


Introdução: O Diabetes mellitus (DM) é um significativo problema de saúde no Brasil, indiferente ao seu grau de acometimento, sua prevalência vem elevando os custos no Sistema Único de Saúde (SUS). Objetivo: Analisar epidemiologicamente o número de internações, taxa de mortalidade e o valor médio gasto com internações por Diabetes Mellitus na região norte do Brasil, no período de Janeiro de 2017 a Julho de 2018, tendo por base a população na faixa etária de 15 a 69 anos. Material e Métodos: Estudo de dados epidemiológicos tendo por fonte o Departamento de informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), com isso não necessitando ser submetido ao Comitê de Ética, pois trata-se de pesquisa em banco de dados sem envolver seres humanos. Foi realizada uma análise comparativa e retrospectiva no período de Janeiro de 2017 à Julho de 2018 de internações na população do sexo feminino e masculino na faixa etária de 15 a 69 anos com Diabetes Mellitus e os custos para o Sistema Único de saúde (SUS) na região norte do Brasil. Resultados: A análise de 13242 internações por Diabetes Mellitus, na região Norte, contidas nos dados do Sistema de informações hospitalares – SIH/SUS (DATASUS) mostrou que 6408(48,39%) casos correspondem ao sexo feminino e 6834(51,61%) ao sexo masculino.  O DM, no período estudado, custou para a saúde pública uma média de 637,87 reais por internação, totalizando 8.446.727,54 reais. Dos casos gerais, foram registrados 412 óbitos, possuindo uma taxa de mortalidade de 3,11%, sendo 201 óbitos femininos e 211 masculinos. Analisando os estados do Norte brasileiro, O Pará é o estado que possui maior número com 5827 casos, correspondendo a 44%, seguido por Amazonas com 3025, Rondônia com 1962, Tocantins com 933, Roraima com 695, Acre com 444 e Amapá com 356. Apesar de estar em 7º, o Amapá é o estado que possui a maior taxa de mortalidade com 7,87% e 28 óbitos registrados no período estudado. Conclusão: O Diabetes Mellitus é um problema de saúde pública de alto custo. Os resultados mostram um gasto com serviços hospitalares um valor de 8.446.727,54 reais. É notório que a medicina preventiva seria uma forma tanto de prevenir o DM, quanto de diminuir os custos no Sistema Único de Saúde(SUS). Em comparação, o Pará possui o maior numero com quase a metade do total e o Amapá possui o menor de internações, entretanto é o estado que possui a maior taxa de mortalidade.

É necessário inscrever-se na conferência para visualizar os documentos.