SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi, IV SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi

Tamanho da fonte: 
LEVANTAMENTO DE INTERNAÇÕES E ÓBITOS POR NEOPLASIA MALIGNA DE COLO DE ÚTERO NO ESTADO DO TOCANTINS ENTRE OS ANOS DE 2008 E 2018
Carolyna Gonçalves Rodrigues, Klicia Martins Reis, Adolpho Dias Chiacchio

Última alteração: 2018-10-06

Resumo


Introdução: O câncer do colo de útero, também chamado de cervical é causado pela infecção persistente por alguns tipos do Papiloma Vírus Humano-HPV. É o terceiro tumor mais frequente na população feminina e a quarta causa de morte por câncer no Brasil. Além disso, é estimado 16370 novos casos para o presente ano (INCA, 2018). Objetivo: Realizar um levantamento por faixa etária sobre o número de internações e óbitos decorrentes da neoplasia maligna de colo de útero, no Estado do Tocantins, entre junho de 2008 a junho de 2018. Metodologia: Estudo descritivo, retrospectivo utilizando dados do Departamento de informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) que tiveram como causa de internação e óbito devido a neoplasia maligna de colo uterino, em todas as faixas etárias, entre os anos de 2008 e 2018 no estado do Tocantins Resultado: No período analisado, notificou-se 2506 casos de internações por neoplasia maligna do colo uterino, sendo 824 entre 40 e 49 anos (32,9%), 533 entre 50 e 59 anos (21,3%) e 301 entre 60 e 69 anos ( 12%). O total de óbitos por essa neoplasia foi de 209, sendo 56 entre 50 e 59 anos (26,8%), 48 entre 40 e 49 anos (23%) e 35 entre 60 e 69 anos (16,7%). Os dados obtidos no estudo no Tocantins estão em concordância com dados levantados em outros estudos realizados no Brasil. Segundo Junior et al. (2018) as faixas etárias mais acometidas estão entre os 40 e 69 anos de idade. Conclusão: São elevadas as taxas de internações e óbitos no estado do Tocantins e as faixas etárias mais acometidas são entre 40 e 69 anos, seguindo o padrão nacional. Para a redução da morbidade e mortalidade por essa neoplasia maligna é importante que ocorra a expansão dos programas de rastreamento precoce do câncer na atenção primária e a intensificação da vacinação contra o HPV.

Palavras- chave: Neoplasias do Colo do Útero, Papillomaviridae, Programas de rastreamento, Vacinação.


É necessário inscrever-se na conferência para visualizar os documentos.