SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi, IV SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi

Tamanho da fonte: 
ATIVIDADE MIOCÁRDICA DE RATOS TRATADOS COM PROPILTIOURACIL AVALIADA EM IN VIVO E IN VITRO
Marcio Araujo Almeida, Walquiria Teixeira Melo Costa, Katienne Brito Marcelino, Wataro Nelson Ogawa

Última alteração: 2018-10-09

Resumo


Introdução:A ausência total ou parcial de hormônios tireoidianos influencia diretamente as funções cardiovasculares com alterações em miócitos cardíacos afetando sobretudo as características eletrofisiológicas e hemodinâmicas. Objetivo: estabelecer associação entre administração de propiltiouracil (PTU) e hipotireoidismo e estudar as implicações da disfunção tireoidiana na atividade elétrica cardíaca em ratos tratados e não tratados com PTU submetidos a condições experimentais in vivo e in vitro. Protocolo aprovado CEUA 02/2018.Material e Métodos:Foram utilizados 20 ratos Wistar fornecidos pelo biotério central da UnirG subdivididos em grupo controle (GC, n=10) tratados com aspartame (10 gotas) na água do bebedouro e o mesmo no grupo experimental (GE, n=10), porém tratados com PTU e todos na vigência de 30 dias. No 31º dia tanto os do GC como do GE foram anestesiados com tiopental sódico (50 mg/kg) e registros ECG obtidos in vivo e em seguida ECG in vitro em preparação de Langendorff com os corações posicionados em câmara perfundidos com Ringer 37 0C tamponado aerado conectado a eletrodos Ag/AgCl. Dos traçadosin vivo e in vitroforam obtidos frequência cardíaca (FC, em bpm), amplitudes (em mV) das ondas P e QRS e os dados analisados por meio de ANOVA e Tukey e P < 0,05 foram considerados significativos.Resultados: tireoides volumosas no GE sugerindo hipotireoidismo. Quanto aos protocolos in vivo: FCde GC e GE foram, respectivamente: 380,5 ± 42 e 122,9 ± 40,1 sendo significativo (P < 0,001). Amplitude Pde GC e GE foram, respectivamente: 0,23 ± 0,07 e 0,18 ± 0,06 sendo significativo(P = 0,022). Amplitude QRS de GC e GE foram, respectivamente: 0,75 ± 0,24 e 0,98 ± 0,59 sendo não significativo (P = 0,105).Protocolos in vitro: FCde GC e GE foram, respectivamente: 124,94 ± 50,4 e 122,9 ± 40,1 sendo não significativo (P = 0,89). Amplitude P de GC e GEforam, respectivamente: 0,14 ± 0,07 e 0,11 ± 0,05 sendo não significativo (P = 0,141).  Amplitude QRS de GC e GEforam, respectivamente: 1,6 ± 0,73 e 1,01 ± 0,66 sendo significativo (P = 0,02). Conclusão:estudos in vivo mostram que o hipotireoidismo promove queda da freqüência cardíaca e da amplitude da onda P e estudos in vitro evidencia uma diminuição da amplitude da onda QRS.

É necessário inscrever-se na conferência para visualizar os documentos.