SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi, IV SICTEG - Semana Integrada de Ciência e Tecnologia de Gurupi

Tamanho da fonte: 
ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE URBANA DE PESSOAS PORTADOAS DE NECESSIDADES ESPECIAIS. UMA REVISÃO SOBRE A REALIDADE, DIFICULDADES E DESAFIOS.
Rony Degard Silva Nascimento, Angela Mendes Stival

Última alteração: 2018-10-09

Resumo


Introdução: Em todo mundo existem pessoas portadoras de necessidades especiais que encaram dificuldades e precisam ser incluídas na mobilidade urbana para atividades desde as domesticas simples até a locomoção e trabalho em uma cidade. Objetivo: Analisar e explanar as dificuldades, desafios e possíveis soluções que possam ser tomadas para que tal cenário seja amenizado cada vez mais. Material e Métodos: Este trabalho foi elaborado com base em informações de artigos científicos já publicados que tratam da problemática da mobilidade urbana, analisando dados e fatos. Resultados: De acordo com Censo (2010) do Ministério de Desenvolvimento Humano, cerca de 23,92% de brasileiros possui algum tipo de deficiência, seja ela visual, auditiva, motora, ou intelectual, a região nordeste apresenta o maior numero (26,62%) de pessoas com pelo menos uma das deficiências. Hoje são 45.606.048 de brasileiros portadores de necessidades especiais, 23,9% da população total apresenta alguma deficiência e sofrem com barreiras arquitetônicas, da quais 25.800.681 (26,5%) são mulheres e 19.805.367 (21,2%) são homens; 38.473.702 pessoas vivem em áreas urbanas; Portam pelo menos uma das deficiências: 23,90%, sendo deficiência Visual: 18,60%; Auditiva: 5,10%; Motora: 7%; Mental ou Intelectual: 1,40%. Segundo o CREA- PR (2006) a maior dificuldade de locomoção nos centros urbanos ocorre nas calçadas e rampas das vias, pavimentações rachadas ou quebradas além de arvores em locais inadequados aliados a falta de padronização. Observou-se também o problema da discriminação, não só na convivência do dia a dia como na edificação de residências, calçada, ruas ou ate mesmo em hospitais e escolas. Conclusão: O planejamento de vias publica urbanização das cidades, parques, praças, edifícios públicos devem prever em seus projetos iniciais a inclusão das pessoas portadoras de todos os tipos necessidades especiais, bem como também, idosos, crianças e todos que necessitam de uma atenção especial e ainda sofrem com esse mal.

Palavras chave: Acessibilidade; pessoas necessidades especiais; Dificuldades; Cadeirantes;


É necessário inscrever-se na conferência para visualizar os documentos.